. : 11ª Mostra Mundo Árabe de Cinema : .

Blog

11ª Mostra Mundo Árabe de Cinema: distopia e desterramento em debate no Cinesesc
Postado em 18/08/2016

A 11ª Mostra Mundo Árabe de Cinema teve mais uma de suas atividades especiais realizadas nesta terça-feira, 16 de agosto: o bate-papo “Cinema da Vela - Traços, sonhos e distopias”, no CineSesc-SP, abordou a distopia no cinema e nos filmes da cineasta palestina Larissa Sansour. A atividade da 11ª Mostra Mundo Árabe de cinema aconteceu após a exibição dos filmes “Onda 98”, dirigido pelo libanês Ely Dagher, e da trilogia sci-fi da cineasta (“Estado-Nação”, “Êxodo no Espaço” e “No futuro eles se alimentaram da mais sofisticada porcelana”) e contou com uma mesa com o diretor de cinema Luiz Bolognesi e o curador da Mostra, Geraldo Adriano Campos, sob a mediação do jornalista e documentarista Ricardo Calil.

O filme “Ondas 98” conta a história de jovem na Beirute pós-Guerra Fria. A trilogia de Larissa Sansour projeta distopias para o mundo – ficções que se baseiam em utopias negativas.

“Será que a leitura distópica do futuro não é um alerta de que estamos caminhando para um futuro desesperador?”, colocou para discussão Bolognesi. “Ficamos tristes com as bobagens que o ser humano faz em termos de recursos hídricos, África e os refugiados”, afirmou. Segundo o diretor, a ficção científica tem o poder de mudar o futuro. “A obra de arte tem o poder de levar a uma reflexão e passar uma emoção que muda comportamentos”, declarou.

Geraldo Adriano Campos frisou que os filmes trazem para o debate a situação das pessoas desterradas. “É um momento áspero e duro para discutir, se pegar o plano global. Estamos em uma espécie de guerra civil. O cinema preenche isso de sentidos e imagens”, disse, em relação à sessão temática “Imagem, Tempo e Memória”, que integra esta edição da Mostra.

“A experiência do desterro é fundamental no cinema palestino”, pontuou Campos, que citou trecho do filme “Estado-Nação”, em que palestinos aparecem em um prédio. “É um grau de ironia, a Palestina vira um prédio. Chega uma hora que só resta verticalizar”, afirmou sobre as consequências da ocupação israelense.

Desterramento

Para Bolognesi, também existem desterrados no Brasil. “Fazendo a ponte entre o Brasil e o Mundo Árabe, vejo estes filmes e me sinto muito próximo. Os povos na Amazônia também não possuem Estado”, disse, em relação aos indígenas.

Para ele, problemas e conflitos sociais são sustentados por meio de narrativas. “Nós somos resultado de uma narrativa que é dada a nós. Buscar mais petróleo, os EUA legitimam com (a história do) Bin Laden, seja lá o que for.” O cineasta citou dados da ONU que mostram que 60 mil pessoas são mortas por ano no Brasil, sendo 90% entre 15 e 24 anos e 60% negros ou pardos. “Nós vivemos em um conflito em que o número de mortos é maior do que o da fronteira entre Israel e Palestina e nós aceitamos a narrativa que nos é imposta, de que são negros da periferia e morrem mesmo”, disse.

Campos e Bolognesi agradeceram a presença do público, assim como Calil, que disse ser visto como árabe quando vai aos Estados Unidos. “Hoje me senti árabe de uma forma muito menos ameaçadora”, afirmou satisfeito com o bate-papo.

O diretor do ICArabe, Gabriel Bonduki, elogiou a promoção do debate ao portal ICArabe. “É muito interessante a informação que a Mostra traz para a cidade e contrapõe com outras visões. É muito gratificante, em termos pessoais, estar junto com o Instituto. Escutar a língua árabe aqui nos filmes”, declarou.

A educadora Mona Perlingeiro, 27, afirmou ter gostado das reflexões do bate-papo. “A conversa foi muito boa para me localizar mais na política e na geopolítica. Gostei muito da conexão com o desterramento”, disse ela, que também gosta do caráter vídeo arte dos filmes de Larissa Sansour.

Confira a programação da 11ª Mostra Mundo Árabe de Cinema:http://www.mundoarabe2016.icarabe.org/programacao

11ª Mostra Mundo Árabe de Cinema
De 10 de agosto a 28 de agosto de 2016 | Realização Instituto da Cultura Árabe - ICArabe
© 2016. Mostra Mundo Árabe de Cinema. Todos os Direitos Reservados.